Entrevista com: Neide de Aquino Noffs

Entrevistado(a): Neide de Aquino Noffs Entrevistador(es): Andrea Racy e Patricia Vieira


Qual a sua formação acadêmica e sua trajetória profissional?

Formação: Pedagoga – Psicodramatista – Dra. Na área da Educação pela USP, área de conhecimento da didática.

Trajetória: Professora da Educação Infantil, Ensino Fundamental e Ensino Médio na área da Psicologia.
Inicío como estagiária na área da orientação educacional e docência. Posteriormente coordenadora Pedagógica na Escola Pública Experimental da Lapa. Trabalhei em escolas Públicas e Privadas, com diferentes metodologias e em diferentes funções.
Há mais de 20 anos trabalho no Ensino Superior, em cursos de formação de professores: Pedagogia e Licenciatura.
Atualmente coordeno o curso de Psicopedagogia na PUC-SP, exercendo a função de Vice-Diretora da Faculdade de Educação

 

Quais os instrumentos que você utiliza para identificar os alunos com dificuldades de aprendizagem?

Os instrumentos que utilizo são: observações, situações pedagógicas, situações projetivas, entrevistas com professores, com famílias dos alunos, questionários, análise da produção do aluno/professor/hora do jogo.

 

Como a escola procede no sentido de fazer o encaminhamento de um aluno para realizar um diagnóstico ou um trabalho psicopedagógico?

O encaminhamento é feito somente após o professor esgotar seus recursos didáticos-pedagógicos em sala de aula, diferenciando problemas educativos, de sociais.

 

Quais os cuidados que a escola deve tomar em relação ao aluno, à família e ao(s) professor(es) responsável(responsáveis) pelo aluno?

Os cuidados em relação aos responsáveis pelo aluno, seja família ou professor é trabalhar no sentido de prevenir problemas de aprendizagem escolar através de grupos de estudo, grupos de apoio à família, projetos específicos envolvendo a formação de qualidade do professor e o entrosamento da família e escola.

 

Qual o papel da escola diante dos alunos com dificuldades de aprendizagem?

O papel da escola é o acolhimento à diversidade, criando condições não só de acesso, mas, o de permanência dos alunos na instituição escolar. Criar situações mobilizadoras onde novas ferramentas sejam veiculadas, aproximar-se das famílias respeitando as diferenças, rever o conceito de conteúdo, trabalhar na integração de pessoas, metas e conceitos. O papel do Psicopedagogo na escola deverá ser o de um profissional que assessore a equipe e comunidade no sentido de apoio psicopedagógico buscando identificar e enfrentar as dificuldades detectadas. O Município de Ourinhos já implantou este profissional na rede pública com esta meta. O material referente ao Estatuto do Magistério e Regimento Comum,onde as atribuições do Psicopedagogo está explicitada, poderá ser consultado através do telefone 0XX( 14) 3302-6200 com as Assessoras Técnicas Pedagógicas (Kátia, Neuci ou Adelaide).

 

Você poderia sugerir bibliografia sobre o assunto, que possa auxiliar o trabalho do psicopedagogo?

- Noffs, Neide A. - O Psicopedagogo na rede de ensino, São Paulo, ed. Elevação, 2003

- Colomer, Camps –Ensinar a ler ensinar a compreender, Porto Alegre, ed. Artmed, 2002

- Pozo, Juan Ignácio – A solução de problemas, aprender a resolver, resolver para aprender, Porto Alegre, ed. Artmed, 1998 Uries, Zan, Hildebrandt et al – O currículo construtivista na Educação Infantil, Porto Alegre, ed. Artmed, 2004

- Sole, Isabel – Orientação Educacional e Intervenção Psicopedagógica, Porto Alegre, ed. Artmed, 2001